31 dezembro 2013

Uma história de Ano Novo - O viajante

"Durante suas viagens, é importante manter sempre algo em mente: quando uma coisa termina, uma outra coisa começa." retirado do filme 'O amor acontece'.

Passaram as últimas dez horas daquele ano, pouco faltava agora. O sentimento de Thomas era de uma esperança admirável. Fizera escolhas importantes naquele ano, terminara etapas que lhe trouxeram marcas à parede e sorrisos eternos. Quis coroar as últimas horas num lugar especial, comemorar de maneira silenciosa, sem fotos e estatus, um brinde muito particular. Descobriu ‘Um lugar para estar’, quando aprendeu que perfeição não tem semelhança dentre as alternativas, soube entender aqueles instantes e se percebeu como ser humano, nada além disto, refletia, mas nem por isso tão pouco assim.
Desceu as escadas de seu apartamento, na expectativa de encontrar um ou outro conhecido com calma, para lhes desejar Feliz ano novo. Não viu ninguém e prosseguiu seu caminho. Para Thomas aquele era realmente um momento de reflexões e lembranças, mesmo as mais amargas agora tinham qualquer coisa de um tempero singular.
Desta vez recebeu poucas ligações, faziam falta sim, pensava Thomas, mas era inevitável. Suas escolhas inegavelmente retiravam objetos aparentemente belos, porém empoeirados, das prateleiras. Para dar lugar ao novo, era necessário tal sacrifício. O que temos na vida não podem nos servir como meros objetos de decoração, cuja limpeza e duração é responsabilidade inteiramente nossa. Pelo contrário, é preciso abrir espaço para algo pulsante e de vida própria, que flui, enquanto lhe doa e de ti recebe vida, num ciclo interminável. Com troca de sorrisos e gentilezas, o respeito do tempo de cada um, o sacrifício pelo que é coletivo, enquanto renunciamos pequenas partes de nós mesmos. Thomas tinha a certeza que era isso que queria, sentia-se mais leve para continuar, fazia de cada luz que riscava o céu a essa altura, como seu próprio braço alcançando lugares maiores, estava leve, leve...


Não pensava mais em promessas para um novo ano, mas retirava lições daquele que estava se findando, tinha motivos para se sentir satisfeito, podia olhar, se fosse o caso, para o seu ‘eu’ de um ano atrás e lhe dizer: sinta-se esperançoso. Daria um conselho a ele: Resgate alguns sonhos de infância, corrija certos caminhos tortuosos da juventude, e avalie se aquilo que você abriu mão, mesmo sem querer, quando se tornou adulto, merecia mesmo ser esquecido.
Mas que devaneio, deu-se conta Thomas, aconselhar a ele mesmo no passado. Não precisava disto, afirmava a si mesmo. Que grande privilegiado, ele não era apenas mais um homem em dado momento da vida, era um viajante que dava prosseguimento a viagem ao passo que recuperando toda bagagem, desfez-se do sobrepeso. Um homem mais leve por fora, enquanto se completava por dentro.
Logo estava no lugar em que escolhera para agradecer pelo que se foi, recepcionando o que chegava. Foi um bom ano novo e a história termina aqui. Pois essa não é uma história sobre o amanhã e os 364 dias que o seguem, e sim sobre o hoje e todos os 364 dias que o antecedem. Se você parar para pensar é disso que todo o réveillon se trata. Talvez amigo leitor você não tenha tido o melhor ano de sua vida, é possível que esteja decepcionado pela quantidade de promessas não cumpridas por você mesmo ou por quem você ama e de quem esperava tanto.
Mas nosso convite é que você olhe sim para trás e retire lições. Pode contar com isso, é seu. Promessas e expectativas, são coisas nada palpáveis, ainda não são propriamente suas. Reúna suas conquistas, mesmo as que não vieram em formato de troféu. Suas conquistas são cada uma das coisas que você aprendeu, cada traço em si que você conheceu. Faça esse teste e aplique as lições em seu próximo ano, não deixe que seja uma data para enumerar frustrações e promessas vazias. Não permita viver mais um ano pelo que pode acontecer. O homem que se molha uma vez na chuva, olhando cuidadosamente para essa fato, passa cada vez menos a esquecer o guarda chuva, aprendeu por observar menos tempo àquela infinidade de promessas.

Feliz ano novo, por tudo que você se tornou e ainda pode se tornar, pelo ano que em curso termina hoje, mas não acaba, pois dele você pode continuar retirando lições.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado Luciliana, pela visita e pelas palavras. Compartilhe sim e sempre nos visite!

      Excluir